Parte do coletivo Soylocoporti

entre micro e macro, os meios

Æther por quê?

Sobre o nome do blog, independente da prosódia, curto a sonoridade da pronúncia “aetér”. Me chamo Phillipe Batiuk Trindade e sou comunicador, formando em Jornalismo pela UFPR. Atuo no desenvolvimento de tecnologias sociais pelo Direito à Comunicação e Diversidade Cultural. Associado ao Coletivo Soylocoporti desde 2011, acredito que a integração latinoamericana é uma peça chave para resolver as questões que levanto a seguir:

Chaos Heart by Alias Aether 300x222 Æther por quê?

Fonte: Alias Aether/DeviantArt

Quanto à escolha desse nome, é o seguinte. Lembra das aulas de história antiga, quando ouvimos pela primeira vez sobre os filósofos gregos? Ou quando, fosse na aula de história ou de química, o professor zombava dos utópicos alquimistas? Ou então, se você não cresceu em uma sociedade ocidental eurocêntrica, sabe os Quatro Elementos presentes na cultura chinesa, japonesa, tibetana; na filosofia budista ou hindu; na diversidade cultural dos povos originários pré-colombianos?

Para eles, o chamado éter seria uma substância ou enegrgia que permeia tudo, propagando a luz, o som e os odores. Junto com Água, Fogo, Terra e Ar, o æther é o Quinto Elemento – tão concreto e, ao mesmo tempo, tão efêmero. Acho que é mais fácil listar o que o æther não é: o início nem o fim; o objeto nem a ação; alguma coisa tampouco coisa alguma…

É, acho que ainda não está claro. Prossigamos. Filosoficamente falando, existe uma concepção do etéreo Éden. Platônico, o Éter da mitologia grega é uma divindade primordial, a personificação do “brilhante, elevado ar celeste, a substância da luz”¹. Habita o tempo e o espaço entre as ações e as reações, um mundo em que interações se desenvolvem em cadeias de relações causais multidirecionais e multifacetadas. Ixe, tá difícil de explicar! Resumindo, entre micro e macro, æther são os meios.

Se ele é o meio, então é um conjunto de coisas (e de relações entre coisas). Só que esse conjunto é composto por… Bom, depende da situação! No intermédio entre o ato de derrubar um prato no chão e um trabalhador cortar a mão em cacos de vidro ao coletar o lixo, há toda uma cadeia de eventos que levam do ponto A ao ponto B, para além do contexto histórico de A, é claro. O mais engraçado disso é que para cada ângulo de análise do mesmo contexto há uma série de conclusões diferentes.

Sob uma perspectiva “lógica linear” o prato caiu, o sujeito recolheu os cacos, colocou-os numa sacola, jogou no lixo, o lixeiro recolheu e se cortou nos cacos de vidro. Ossos do ofício.

Segundo a “física clássica”, um corpo entrou em “queda livre” à velocidade da força gravitacional exercida pela Terra menos atrito e outros ruídos, espatifando-se como reação ao impacto com o desproporcional plano sólido e por aí em diante.

Por outro lado, o contador André tinha 47 anos e estava insatisfeito com as decisões que tomara. Imediatamente, frustrou-se por perder mais um prato do jogo em porcelana que ganhara dos avós em ocasião de seu casamento. Irritado por ter que juntar os cacos, até pensou em embalá-los melhor, mas já estava cansado. Como trabalhara duro a semana inteira e era sábado, tinha feito faxina completa na casa - obsessivamente limpara até que as paredes brilhassem. Todo esse esforço em deixar o pequeno apartamento de um quarto foi por água abaixo, ao menos na cabeça de André, quando ele sucumbiu às provocações da ex-mulher ao telefone e jogou a porra do prato na parede que passara horas esfregando. Alquela vaca, me fez sujar a casa inteira, pensou ele. Acabou jogando direto no saco de lixo, foda-se. Essa inconsequência, por outro lado, flagelou Donato. O marceneiro trabalhara duro por muito tempo em uma imobiliária como vendedor, ao ponto de ter vaga na garagem. Era honesto, trabalhador e devotado à família e à Deus. Casou-se logo que pode com seu primeiro e único amor, Francielle, que conheceu no colégio. Seu melhor amigo e líder espiritual da comunidade, Valdomiro, que também era empresário, tinha um grande número de fiéis e abriu um estacionamento no centro da cidade. Nisso, propôs a Donato que fosse seu sócio, tocando o empreendimento enquanto o sócio cuidava da parte financeira. Confiante e mais feliz do que nunca, em especial por ser chefe de si mesmo ao lado do amigo, largou a imobiliária e entrou de cabeça no novo negócio. Passados alguns anos, foi abordado por um rapaz forte que o fez uma série de perguntas. Sem motivo para crer em má-fé, respondeu com honestidade ao policial à paisana, no que foi preso em flagrante. Afinal, o negócio era um canal de lavagem de dinheiro e o pobre Donato, o laranja. Nas distorções do sistema carcerário, perdoou a traição do pastor, pois tinha fé em Deus. Como não quisesse entrar para a vida de crimes para a qual o último período lhe havia formado tão bem, resolveu começar do zero. Agora sem família ou amigos, mudou de cidade e se virou até conseguir um emprego um pouco mais estável na coleta de resíduos, que era terceirizada pelo município. Mas aquele corte na mão não perdoara. Voltou para o pequeno apartamento no enorme conjunto habitacional no cinturão mais afatado do centro da cidade e teve pesadelos enquanto conseguiu dormir. Acordou de madrugada suando frio e com fortes dores de cabeça. Levantou, tomou uma água, mas não adiantou. Depois de rolar na cama por algum tempo, o braço começou a latejar. Com a mão já inchada e repleta de pus, decidiu que era hora de ir à unidade de saúde mais “próxima”. Com febre e sem carro, quando chegou a um centro cirúrgico já com infecção generalizada, não havia solução. De lá para o IML não deu dois toques.

4630263 f260 150x150 Æther por quê?

Flor da Vida

Pois bem. Voltemos a falar da física! Lembra do que o velho professor dizia sobre a luz? Ela é ao mesmo tempo partícula e onda. Para a física quântica, estudo do mundo subatômico, a própria matéria como a percebemos é senão fruto de vibração energética, o que promove a compreensão dualística da partícula também enquanto onda. A amplitude que compreende entre 400 e 750 THz corresponde ao que conhecemos como espectro visível, ou, luz. Já a soma de todas as diferentes frequências de energia possíveis corresponderia ao nosso universo em si, como um todo. As vibrações são, em últiuma instância, constantes movimentos de expansão e contração, seja em microescala ou então visto sob o recorte que vai desde o Big Bang até o “fim” do nosso universo, que, segundo algumas teorias, levaria a um novo big bang. Representando esse conceito, a Flor da Vida é uma milenar figura geométrica da matriz holográfica universal.

Oi?

Tudo isso que experimentamos ao longo da vida, através da dimensão que só percebemos indiretamente como “tempo”, seria simplesmente a re-re-re(…)reverberação do “início” deste universo (e todas as interferências e ruídos consequentes), que expandiu e tem contraído e expandido de novo desde então, até que se contraia completamente. Ou então, segundo algumas pesquisas, a dimensão que conhecemos como tempo seria o holograma de um universo perfeito, de modo que essa projeção perderia nítidez quanto mais afastada do objeto original, assim desenrolando nossa percepção progressiva do tempo. Na primeira dimensão em que isso acontece(u), temos só um “ponto”, que, ao expandir (ou explodir), teria se complexificado, tornando-se bidimensional, como representado pela semente da vida. Já a Flor da Vida, a da imagem acima, representa a terceira dimensão, aquela em que estamos hoje, na qual somente conhecemos a dimensão temporal através de seu efeito na transformação da matéria/energia – e não como percebemos a profundidade, diretamente. Esse desenho, portanto, sagrado para muitas culturas que se desenvolveram e caíram milênios atrás, é a matriz sob a qual se pode projetar (por isso holográfica) as trocas de energia ao longo do tempo e seu efeito sobre a matéria.

Nesse desenho, estão contidas todas as figuras geométricas equiláteras possíveis, pois através de círculos perfeitos ela gera intersecções cujos pontos podem ser conectados para traçar tais elementos. É ao estudo das ligações entre as proporções e formas contidos no microcosmo e no macrocosmo que chamamos Geometria Universal. Seguindo proporções áureas, ou vice-versa, a Flor da Vida contém todos os harmônicos da luz, do som e das notas musicais, existindo como um padrão holográfico que definine a forma tanto dos átomos como das galáxias. Venerada por diversas culturas e cultos, já foi encontrada em Massada (Israel), no Monte Sinai, na China, India e Espanha.

Mas a Ciência moderna, cartesiana, também compreende cada vez mais a sabedoria milenar. O vídeo abaixo fala sobre a Teoria Geral Unificada da física:

Os seres humanos não fogem dessa regra. São constituídos por esse mesmos elementos e, apesar de realmente serem indivíduos, também são parte do todo – mas isso a sociedade faz questão de que não interfira na vida das pessoas. Antes de voltar a falar da física, é preciso dar um passeio conceitual. “A capacidade de se comunicar, e as próprias línguas, são inerentes aos seres humanos”. Com isso, Noam Chomsky quer dizer que, lembrando o princípio fundamental do construtivismo, toda criação humana é fruto de interações entre elementos presentes na vivência do criador, e isso também se aplica à nossa visão de mundo. “Nosso discurso está impregnado das palavras do outro, que naturalmente são alteradas em seu sentido pelos efeitos de nossa compreensão e avaliação”, já dizia o velho BAKHTIN (1895, †1975) apud MARTINS (1990 p.22) sobre o ideário de toda e cada pessoa. Em tempo, a própria individualidade, à qual se costuma ter tanto apego, é senão formada pelo nosso meio e as relações que temos com ele e tudo que o compõe, em diferentes níveis e dimensões. E é disso que partem nossas ações no mundo concreto.

Nessa ótica, os círculos de convivência humana são também organismos complexos (família, grupo, comunidade, rede, sociedade, ecossistema), e eles são o reflexo dos indivíduos que os compõem – bem como cada consciência não passa de partes de um todo psicológico, ou personalidade (Superego, Ego, Id; consciente, subconsciente e inconsciente; funções cognitivas). Existe uma constante que nos situa dentro e como parte do æther, do processo, do caminhar, da vivência, dos meios: dos quais a Comunicação é o estudo, ao menos na Academia. Em outras palavras, o meio é a mensagem. Enquanto processo dinâmico e complexo, historicamente construído e dialogicamente propagado, ele é fruto de si mesmo e da interação com outros elementos – estáticos e dinâmicos, simples e complexos, técnicos e críticos, zero e um – de um todo.

Contextualizar informações no æther deveria ser a missão de todo comunicador, mas hoje o importante é gerar lucro para as empresas de comunicação, portanto isso se faz inviável. Ainda, as fontes de informação, conhecimento e entendimento precisam ser plurais para que a construção da Ideologia (somatória das visões de mundo) seja uma criação coletiva e colaborativa. Os blogs e redes de comunicação alternativa e popular têm por finalidade, assim como este em especial, colocar isso em prática, resgatando o leitor para uma realidade muito mais ampla relativamente àquela que as forças dominadoras da sociedade o fazem crer. É hora de contextualizar os frutos das eras do conhecimento e da informação. Mas para alçar esse voo, primeiro mergulhemos no que nos é mais próximo. A partir da nossa realidade interna, pessoal, local, regional, nacional, macrorregional, continental, poderemos então contemplar a nós mesmos enquanto organismo global! Fiquemos de olho


icon wink Æther por quê?

share save 171 16 Æther por quê?

Blog integrante da rede Soylocoporti